Categoria: Consumidor

Modelo para Exigir seu Direito de Consumidor

Modelo para Exigir seu Direito de Consumidor

Não há despesas judiciais e esses processos são, regra geral, bem mais rápidos.
Nosso modelo para download é de fácil adaptação para cada caso em especial, bastando informar com precisão os dados qualificativos do consumidor lesado, os dados do vendedor e/ou fabricante, além da data de aquisição, valor envolvido e relato da negativa de assistência ou cumprimento da garantia.
Precisando de maior apoio é só falar com nossa equipe nas várias formas de contato. Logo na entrada de nossa página web _ – “landing page” – escolha este entre vários modelos gratuitos para download, todos de grande utilidade e valor, rápido e na mão.
AÇÃO REDIBITÓRIA, clica lá.

Autor: Régis Francisco Maluf

Robôs Ligadores Infernizam

Robôs Ligadores Infernizam

A onda dos robôs, motores de software, autômatos realizadores de milhares de ações mercadológicas por minuto, coqueluche no marketing digital, agora com implemento de circuitos e programação neural a custos reduzidos, proliferam como soluções de atendimento por “inteligência artificial” .

Importante verificar o alcance e os limites de uso de tais soluções, uma vez que esbarram nas regras transnacionais de proteção de dados e para limitar importunação aos usuários consumidores.

Se antes os atendentes humanos nos “call centers” já eram prolixos e muitas vezes impertinentes, ou inconvenientes na insistência para venda de produtos e serviços, os robôs ligadores estão partindo para o ataque incansável da máquina, repetindo contatos telefônicos de forma frenética.

Esta abordagem invasiva das empresas fere frontalmente a legislação de consumo, além da regulação infralegal das agências de controle para garantia do sossego e privacidade dos cidadãos, a exemplo do cadastro negativo para o marketing direto controlado pela ANATEL, mas com baixíssima efetividade por fiscalização pobre, omissa e punição idem.

O que é e como prevenir

O que é e como prevenir

Uso de dados particulares terá regramento novo e ampla restrição ao entrar em vigor a Lei Geral de Proteção aos Dados, em 2020.

Não só o compartilhamento clandestino por dissimulado consentimento do usuário, mas toda sorte de disseminação de informações coletadas por concentradores de “big data”, serão alvo como condutas puníveis, via pesadas multas e restrições cumulativas a direitos dos captadores.

Mas como fazer prova destas práticas, principalmente os banimentos digitais parciais que podem forçar o usuário consumidor a contratar serviços que não precisaria, em uma espécie de extorsão de consumo ?

É uma questão delicada e que ultrapassa as eternas discussões legais ou jurídicas, sempre no mundo do éter e da teoria.

Quais os instrumentos para medir, monitorar e farejar em meio digital as más condutas com dados pessoais alheios ? Os “sniffers” de rede devem ser implantados como contramedida aos robôs e algoritmos do marketing digital, disponibilizados para agências de controle isentas e dotadas de infraestrutura sempre atualizada.

WhatsApp chat